Você sabia que uma boa alimentação também inclui hábitos que mantém nosso planeta saudável?  Ao realizarmos pequenas mudanças, é possível preservar nossa biodiversidade e reduzir os impactos da mudança climática.

A produção de lixo no Brasil

No Brasil, apenas no ano de 2019, foram gerados mais de 79 milhões de toneladas de lixo. Somos o país que mais produz e menos recicla resíduos no mundo. Em 2014, os plásticos representaram 37,47% no valor total da produção de embalagens, e cada garrafa plástica demora cerca de 450 anos para se decompor.

Alimentos e o gasto de água.

Além do lixo e energia utilizados, antes de chegarem até o nosso prato os alimentos precisam de muita água para atingirem a forma que nós estamos acostumados. Para que 1 kg de carne seja produzido, são gastos 15.500 litros de água em toda a cadeia produtiva. Impressionante, não é?

Isso sem contar os outros alimentos, como o açúcar, o queijo e o café, que gastam, em média, 2.000 L de água.

Como diminuir nosso impacto?

1 – Diminua o uso de embalagens.

Prefira os alimentos naturais e não industrializados. Assim, além de ajudar o meio ambiente, você também aproveita as propriedades dos alimentos como as fibras, vitaminas e minerais.

2 – Aproveite as cascas, talos, sementes e caules dos alimentos.

Você pode usar em bolos, doces, farinhas ou como lanchinhos. Use sua criatividade! Com esse hábito você gera menos lixo e ainda aumenta seu aporte de fibras, regulando seu intestino e a glicemia.

3 – Reaproveite a água do cozimento dos vegetais.

Use a água dos legumes em outras receitas, como, por exemplo, macarrão ou arroz! Desse modo é possível conseguir aproveitar os minerais e vitaminas dissolvidos na água, sua vida torna-se ainda mais saudável.

4 – Tenha uma horta e faça o uso de compostagem.

Além de ser um hobby muito terapêutico, com sua própria horta você enriquece nutricionalmente a sua alimentação e ajuda a diminuir o lixo do planeta.

5 – Consuma alimentos de época e da região.

Escolhendo alimentos de acordo com a época você os encontra mais saborosos! E ainda diminui o impacto ambiental pela economia com o transporte, a poluição minimizada e contribuindo para a desaceleração da mudança climática.

6 – Compre vegetais um pouco mais verdes.

Se seu intuito não é consumir tudo naquele momento, você pode comprar vegetais não tão maduros. Com esse hábito é possível variar mais o cardápio e não desperdiçar alimentos por já terem passado do ponto.

7 – Prefira alimentos orgânicos.

São melhores para sua saúde, para as terras de plantio e lençóis freáticos, pois não há uso de agrotóxicos.

8 – Diminua o consumo de carne.

Assim você investe em vegetais de alta qualidade nutricional, economiza e ainda ajuda a minimizar o impacto ambiental de carbono, na diminuição de resíduos e insumos. Que tal aderir à segunda sem carne? Um dia já faz grande diferença.

Muitas vezes, não percebemos que ao realizar essas mudanças, não estamos apenas diminuindo o lixo gerado, mas também minimizando o gasto de água e de energia. Quando pensamos em sustentabilidade, segurança nutricional e responsabilidade ambiental, promovemos uma vida mais saudável e de mais respeito ao nosso planeta Terra.

Referências:

ALMEIDA, A. F. C. S. et al. O Programa de Aquisição de Alimentos (PAA): um caso de Big Push Ambiental para a sustentabilidade no Brasil. Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe. Repositório de casos sobre o big push para a Sustentabilidade no Brasil Brasília, DF: Autor, 2020.

BANCO DE ALIMENTOS. Aproveitamento Integral dos Alimentos. Rio de Janeiro: Sesc/DN, 2015.

CARDOSO, F. T., et al. Aproveitamento integral de alimentos e o seu impacto na saúde. Sustentabilidade em debate, v. 6, n. 3, p. 131-143, 2015.

CONSEA.Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional.II Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Consea, 2004.

LANDIM, Ana Paula Miguel et al. Sustentabilidade quanto às embalagens de alimentos no Brasil. Polímeros, v. 26, n. SPE, p. 82-92, 2016.

Logística do agronegócio: oportunidades e desafios

MIÑO, Lídice Álvarez; CEBALLOS, Alexander Salazar; ROJANO, Yulaini Yulaini Díaz. Relación entre las emisiones de dióxido de carbono equivalentes por consumo de carne y el índice de masa corporal, el peso y el consumo diario de kilocalorías en estudiantes de la Universidad del Magdalena, Santa Marta, 2013. Médicas UIS, v. 27, n. 3, p. 47-55, 2014.

NUNES, J. T. Aproveitamento Integral dos Alimentos: Qualidade Nutricional e Aceitabilidade das Preparações. Dissertação. Universidade De Brasília, 2009

RIBEIRO, Helena; JAIME, Patrícia Constante; VENTURA, Deisy. Alimentação e sustentabilidade. Estudos avançados, v. 31, n. 89, p. 185-198, 2017.

RODRIGUES, Livia Penna Firme; ZANETI, Izabel Cristina Bruno Bacellar; LARANJEIRA, Nina Paula Ferreira. Sustentabilidade, segurança alimentar e gestão ambiental para a promoção da Saúde e qualidade de vida. 2011.

STORCK, C. R., et al. Folhas, talos, cascas e sementes de vegetais: composição nutricional, aproveitamento na alimentação e análise sensorial de preparações. Ciência Rural, v. 43, n. 3, p. 537-543, 2013.

WATER FOOTPRINT NETWORK. Disponível em: https://waterfootprint.org/en/

Secured By miniOrange