Cuidado! Esses 7 erros podem destruir seu emagrecimento.

7 erro que podem afetar o emagrecimento

Emagrecer, para muitos, pode não ser uma tarefa tão fácil. Isso pode depender de vários fatores, dentre eles, o metabolismo, que pode ser lento ou não, as calorias que ingerimos diariamente, o nível de atividade física, fatores emocionais, como estresse, ansiedade e depressão, a rotina de trabalho, o tempo de sono, e muitos outros fatores contribuem para atingirmos nossas metas em eliminar aqueles quilinhos. Abaixo, listamos 7 erros que podem fazer a diferença no seu dia-a-dia, e eliminando-os você terá o peso desejado, e qualidade de vida, já que um corpo saudável, também depende do seu peso.

1- Beliscar entre as refeições:

Esse hábito faz com que haja um aumento no consumo de calorias de forma que não percebemos. Ao final de um dia, podemos acumular alguns gramas, no entanto, ao final de alguns dias, esses gramas se transformam em quilos. Coma a cada 3 horas e evite experimentar a comida ao prepará-la. Espere a hora de montar o prato.

2- Não tomar água:

Quando não nos hidratamos, nosso organismo pode interpretar como fome, já que os alimentos também contêm água. Desse modo, o cérebro confunde os impulsos, como se precisasse comer para saciar a sede. Ao comer, além de não suprir a demanda hídrica, você acrescenta calorias à sua dieta. A água é essencial ao organismo, para diversas funções, portanto, mantenha uma garrafinha sempre perto e se hidrate a todo momento. Antes de comer, você pode verificar se não é sede, e tirar esse costume do automático.

3- Não comer carboidratos:

Carboidratos são fontes de fibras que nos ajudam na saciedade, na saúde intestinal, no controle da glicose sanguínea e do colesterol. As fibras estão presentes nos vegetais, como frutas, verduras, legumes. Já os carboidratos simples, os chamados açúcares, presentes nos doces, balas, biscoitos, refrigerantes e outros produtos industrializados, devem ser evitados, já que aumentam a inflamação e com isso, dificultam a perda de peso. Recentemente, os carboidratos têm sido fonte de preocupação, no entanto, sabendo escolher o momento certo e o tipo de carboidrato a ser consumido, ele trará inúmeros benefícios, além de ajudar no emagrecimento. Mas fique atento, há uma quantidade ideal de consumo. Consulte seu nutricionista.

4- Pular refeições:

Quando deixamos de consumir alguma refeição, principalmente grandes refeições, como café da manhã, almoço e jantar, há uma tendência de que nosso corpo sinta mais fome, e na próxima refeição, essa fome pode ser tão impactante ao ponto de fazer você consumir muito mais que o necessário em 2 refeições (a que você está consumindo, e a que você pulou).

5- Comer depressa:

Ao comer depressa, não mastigamos bem os alimentos. A mastigação é muito importante não só para uma melhor digestão dos alimentos, mas faz com que nosso cérebro não entenda que estamos satisfeitos, já que esse sinal (liberação de hormônios da saciedade) precisa de um certo tempo para ser enviado. Além disso, novos estudos mostram que mastigar rápido podem levar à resistência insulínica e síndrome metabólica.

6- Não comer o que se tem vontade:

Quando temos vontade de comer algo e não o fazemos, acabamos ingerindo várias outras coisas no intuito de que essa vontade passe. E como resultado temos 2 problemas: você continua com vontade de comer determinado alimento, e ainda ingeriu muitas calorias, e o desejo não passa. Lembre-se que tudo pode ser consumido moderadamente. Se você, por exemplo, tem vontade de comer chocolate e evita consumir, pois quer comer uma barra inteira, compre um chocolate pequeno, apenas para esse momento e prefira aqueles com 70% de cacau ou mais, assim você mata sua vontade e recebe os benefícios dos antioxidantes presentes no cacau.

7- Pensar apenas na quantidade:

A chave para o emagrecimento é o bom senso. É claro que a quantidade é importante, mas a qualidade também é primordial. A quantidade regula a ingestão de calorias, e a qualidade nos proporciona elementos como vitaminas, minerais, fibras e outros elementos que são fundamentais não só para um emagrecimento saudável, mas também para uma qualidade de vida. Pense: não adianta ser magro e não ter saúde, não é mesmo?!

Para mais saúde e qualidade de vida:

Além eliminar esses 7 erros, procure um nutricionista para ele fazer uma dieta personalizada e ajude você a eliminar os quilos tão indesejados, além de ajudar a ter mais saúde e qualidade de vida.

Referências:

BARRETO, Ana Gardenia Santos et al. Obesogenics habits e prevalence of obesity in adult population in Bahia/Habitos obesogenicos e prevalencia de obesidade em populacao adulta na Bahia. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, v. 3, n. 14, p. 165-175, 2009.

DE LUCA JR, Laurival Antonio; JOHNSON, Alan Kim; MENANI, Jose Vanderlei. Neurobiology of Body Fluid Homeostasis. 2013.

DE MORAES, Elizabete Teresa Rondon Pereira; ALMEIDA, Luciana Maria Rodrigues Dos Santos; DOS SANTOS, Andréia Cristina Munzlinger. AUTOPERCEPÇÃO DA MASTIGAÇÃO E DEGLUTIÇÃO EM ADULTOS OBESOS. TCC-Fonoaudiologia, 2020.

FIGUEIREDO, Maria do Desterro de. Tipos psicológicos e comportamento alimentar de mulheres em tratamento para obesidade.

NAGAHAMA, Satsue et al. Self-reported eating rate and metabolic syndrome in Japanese people: cross-sectional study. BMJ open, v. 4, n. 9, p. e005241, 2014.

PERINAZZO, Camile; ALMEIDA, Jussara Carnevale de. Composição nutricional de dietas para emagrecimento divulgadas em revistas não científicas. Revista HCPA. Porto Alegre. Vol. 30, n. 3 (jul./set. 2010), p. 233-240, 2010.

RODRIGUES, Érika Marafon; BOOG, Maria Cristina Faber. Problematização como estratégia de educação nutricional com adolescentes obesos. Cadernos de Saúde Pública, v. 22, p. 923-931, 2006.

SIMPSON, Katherine Anne; MARTIN, Niamh M.; R BLOOM, Stephen. Hypothalamic regulation of food intake and clinical therapeutic applications. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, v. 53, p. 120-128, 2009.

ZHU, Bing et al. Association between eating speed and metabolic syndrome in a three-year population-based cohort study. Journal of epidemiology, p. JE20140131, 2015.

Gostou do conteúdo? Compartilhe!