Você já conhece as doenças inflamatórias intestinais?

dores intestinais

O intestino é um órgão na forma de tubo que vai desde o estômago até ao ânus, permitindo a passagem dos alimentos digeridos. Ele é dividido em 2 partes: intestino delgado e grosso. Através dele ocorre a absorção de diversos nutrientes, de água e ocorre a eliminação dos resíduos em forma de fezes. Além disso, ele abriga a maior parte das nossas células do sistema imune e de bactérias, tanto benéficas quanto aquelas que podem desencadear algum tipo de doenças. Assim, esse órgão tem grande importância não só fisiológica, como imunológica (nos processos inflamatórios e anti-inflamatórios).

As doenças inflamatórias do intestino são doenças crônicas, de origem desconhecida, causadas pelos processos inflamatórios das células do sistema imune. Dentre elas, podemos citar as mais comuns como: a Síndrome do Intestino Irritável (SII), Doença de Crohn e Colite Ulcerativa. Elas têm impactos nutricionais como diminuição da absorção de nutrientes, atraso no crescimento e diminuição da densidade mineral do osso, podendo causar doenças como osteoporose e prejudicar a formação óssea. Além disso, podem promover mudanças no estilo de vida em diversos setores.

Tipos de Distúrbios Intestinais

1. A síndrome do intestino irritável (SII) é uma doença muito comum e frequente em todo o mundo. Dentre os sintomas, estão o desconforto ou dor abdominal, geralmente localizados na região baixa do abdômen, associados à alteração intestinais como: constipação, diarreia ou alternância de uma e outra. Outros sintomas frequentes são: muco nas fezes, distensão abdominal e flatulência. Estudos mostram que o desenvolvimento dos seus sintomas está fortemente relacionado ao estresse, ansiedade e depressão.

2. A Doença de Crohn tem sua origem desconhecida. A doença se dá pela reação inflamatória do sistema imune acometendo qualquer parte do trato gastrointestinal, mas principalmente o intestino delgado e cólon. O indivíduo manifesta vermelhidão ou formação de pequenas úlceras, ou feridas, além de fissuras que são pequenas rachaduras ao redor do ânus. Além disso, os sintomas clássicos desenvolvidos são: diarreia, vômito, perda de peso, dores abdominais, febre e desnutrição. Estudos mostram que ela costuma surgir na faixa etária dos 20 aos 30 anos, mas pode manifestar-se em qualquer fase da vida.

3. A colite ulcerativa apresenta sintomas parecidos com a Doença de Chron, como o aparecimento de feridas, dor abdominal, febre, diarreia e vômitos. No entanto, costuma afetar apenas o intestino grosso. A doença pode iniciar em qualquer idade, sendo homens e mulheres igualmente afetados. O pico de incidência parece ocorrer dos 20 aos 40 anos e muitos estudos mostram um segundo pico de incidência nos idosos.

Possíveis cuidados para minimizar os sintomas e ajudar no tratamento

Dentre as medidas conhecidas, estão o uso de anti-inflamatórios, antibióticos e imunossupressores e a suplementação com multivitamínicos e minerais. Para síndrome do intestino irritável recomendamos uma dieta rica em fibras, exercício físico e controle do estresse. Já para doença de Chron e colite ulcerativa recomenda-se, uma dieta rica em calorias, baixa em lipídeos e proteínas, e com quantidades normais em carboidratos (45–65% da dieta), com restrição de carboidratos simples, de fibras insolúveis, lactose e glúten.

Novos estudos demonstram que o uso de probióticos pode ser benéfico nessas condições, já que eles podem diminuir a inflamação, reduzir sintomas como diarreia e melhorar a imunidade destes pacientes.

Entre eles estão o Lactobacillus rhamnosus GR-1 e L. reuteri RC-14, para Doença de Chron e Colite Ulcerativa, S. boulardii para Síndrome do Intestino Irritável e a mistura de Bifidobacterium, Lactobacillus e Psyllium também para a Doença de Chron.

Portanto, o uso de probióticos, uma dieta saudável, balanceada e o controle do estresse podem ajudar a aliviar e controlar os sintomas dessas doenças.

Referências:

BARBIERI, Dorina. Doenças inflamatórias intestinais. Jornal de Pediatria, v. 76, n. Suppl 1, p. 173-180, 2000.

DE SALES, Éricka Lorenna et al. Efeito probiótico da bactéria Escherichia coli linhagem nissle 1917 em modelo murino de colite ulcerativa induzida por sulfato de sódio dextrano (DSS). 2013.

FERRAZ, Francielle Bonet. Panorama geral sobre doenças inflamatórias intestinais: Imunidade e suscetibilidade da doença de crohn e colite ulcerativa. Journal of Health Sciences, v. 18, n. 2, p. 139-143, 2016.

LOPES, Eduardo Henrique Penchel. Probióticos para prevenção e tratamento das doenças inflamatórias intestinais.

PASSOS, Maria do Carmo Friche. Síndrome do intestino irritável: ênfase ao tratamento. J Bras Gastroenterol, v. 6, n. 1, p. 12-8, 2006.

protocolo cinico e diretrizes terpeuticas retocolite ulcerativa: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_clinico_diretrizes_terapeuticas_retocolite_ulcerativa.pdf

RIBEIRO, Luana Medeiros et al. Influência da resposta individual ao estresse e das *comorbidades psiquiátricas na síndrome do intestino irritável. Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo), v. 38, p. 77-83, 2011.

ROSA, Nádia Oliveira. O efeito do uso de probióticos no tratamento da Doença de Crohn e da Colite Ulcerativa. 2020.

SERAFIM, Taís de Souza; COSTA, Ana Lucia Siqueira. Sintomas somáticos de depressão em pacientes portadores de retocolite ulcerativa idiopática. Acta Paulista de Enfermagem, v. 22, p. 295-300, 2009.

SOUZA, Mardem Machado de; BELASCO, Angélica Gonçalves Silva; AGUILAR-NASCIMENTO, José Eduardo de. Perfil epidemiológico dos pacientes portadores de doença inflamatória intestinal do estado de Mato Grosso. Revista Brasileira de Coloproctologia, v. 28, p. 324-328, 2008.

ZORDÃO, Olivia Pizetta. Efeito de um produto probiótico à base de soja na fase aguda da colite ulcerativa. 2016.

Gostou do conteúdo? Compartilhe!